Titulo: O Veredicto de Chumbo (The Brass Veredict)
Autor: Michael Connelly
Sinopse: Depois de dois anos muito difíceis, o advogado Mickey Haller finalmente vê se apresentar, ainda que de forma amarga, a oportunidade de uma volta por cima. Com o assassinato de seu antigo colega Jerry Vincent, Haller herda um caso de grande importância: a defesa de Walter Elliot, o cabeça de um grande estúdio de cinema, acusado de matar a esposa e o amante dela. Os holofotes são garantidos, bem como o reconhecimento em caso de êxito. A contrapartida é o risco: Haller logo percebe que herdou também a inimizade do assassino de Vincent, e que pode muito bem se tornar sua próxima vítima. É quando entra no jogo o detetive Harry Bosch. Determinado a capturar o assassino, Bosch abraça a oportunidade que surge à sua frente. Sabe que o advogado é uma isca perfeita para que alcance seu objetivo e, mesmo procurando protegê-lo, não hesita em lançá-lo como peça chave de seu esquema. No entanto, e apesar da convivência inicial marcada pela desconfiança mútua, os dois homens logo perceberão que têm de se ajudar se quiserem atingir o que pretendem. Haller sabe que tendo Bosch como aliado, poderá estar de frente com sua única opção de solucionar o caso e se manter vivo.
Esse é o primeiro livro que leio do autor Michael Conelly, mas é claro, já tinha ouvido falar de suas fantásticas histórias envolvendo tramas audaciosas e emaranhadas de histórias paralelas.

Penso que foram essas histórias paralelas que se encaixam em um ponto perfeito do livro que me fizeram gostar tando dele à ponto de lê-lo em duas tardes. Detesto quando alguma autora deixa uma ponta solta, fico muito decepcionada, e isso não acontece nos livros de Michal Conelly.
No livro "O Veredicto de Chumbo", Michey Haller é um advogado brilhante que sabe todas as jogatinas possíveis que precisam ser feitas em um julgamento para se ganhar a causa, seja ela qual for.

Quando um "amigo" advogado, Jerry Vincent é assassinado, Michey é quem fica responsável por seus clientes, recebendo assim em suas mãos um dos maiores casos da história de Los Angeles em suas mãos, onde um magnata da indústria cinematográfica,  Walter Elliot é suspeito de cometer o assassinato da mulher e do amante dela em sua própria casa de praia.

Porém quando Michey começa a planejar a defesa de seu cliente e a organizar as histórias paralelas e encaixá-las perfeitamente em seu lugar  ele descobre que sua vida está em perigo e que está envolvido em um esquema de propina que não imaginava e precisa decidir o que é certo e errado para sí mesmo.

"O Veredicto de Chumbo" é o tipo de livro que dá aquele friozinho na barriga e o autor Michael Connelly escreve um livro, que apesar, de estar recheado do vocabulário de juizes, promotores, advogado... Ainda é fácil de entender e torna a leitura interessante.
Para mim uns dos trechos mais importantes, e que fez eu dizer para mim mesma "quero ler mesmo esse livro" foi o seguinte trecho:
Todo mundo mente.
A polícia mente. Os advogados mentem. As testemunhas mentem. As vítimas mentem.
Um julgamento é uma competição para ver quem mente mais. E todo mundo no tribunal sabe disso. O juiz sabe. Até o júri sabe. Os jurados entram no prédio sabendo que vão ouvir um monte de mentiras. Eles se sentam em seus lugares na bancada e concordam em ouvir mentiras.
O segredo para quem está sentado à mesa da defesa é ter paciência. Esperar. Não por uma mentira qualquer. Mas por aquela que você pode agarrar e malhar como um ferro em brasa até transformar numa espada afiada. Depois usar a espada para rasgar o caso no meio e ver as tripas esparramando no chão.
Esse é o meu trabalho: forjar espadas. Usá-las sem dó nem piedade. Ser a verdade num lugar onde todo mundo mente.”
Este é o trecho que inicia o livro e acredite é daí para a melhor! Boa Leitura! 








10 Comentários

  1. Ah, pela capa tinha que envolver justiça rsrs
    Eu não conhecia o livro. Gostei bastante da história.
    Ameeei o trecho *-*
    É bem o tipo de livro que gosto de ler.
    Livros nesse estilo sempre me lembram um pouco o 'Advogado do Diabo' rsrs
    Adorei a resenha, flor.
    Beijinhos
    http://fulanaleitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Kézia! Me chamo Quésia com "s", adorei isso! \õ/
      Adoro esse tipo de livro também, adoro livro que me deixa com aquele friozinho na barriga! Que bom que gostou da resenha! Beijos!

      Excluir
  2. Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas fiquei interessada. Parece muito bom!

    beijos, Bianca
    http://behindenemyline8.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bianca, o livro é muito bom mesmo! Recomendo! Beijos!

      Excluir
  3. Eu adoro esse tipo de livro, é daqueles livros que deixam a gente curiosa do inicio ao fim, e essas histórias paralelas parecem que não tem nada ver e quando a gente vê não imagina que o autor ligou elas daquela forma, já adicionei na minha lista de desejados!

    beijos, Lu
    Lendo ao Luar

    ResponderExcluir
  4. Também detesto quando o autor deixa pontas soltas e só vai explicar nas próximas continuações desnecessárias :/

    Beijokas :*
    Blog da Mylloka

    ResponderExcluir
  5. Oi *-*
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas confesso que fiquei bem curiosa, é o tipo de história que me fascina. Vou procurar saber mais sobre ele :)

    Beijos,
    Marinah | Blog Marinah Gattuso - @blogmarinah_g - INSTA: marinahgattuso

    ResponderExcluir
  6. Oi,

    Esse livro parece ser bem interessante, porém não é o tipo que eu gosto.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Eu nao curto muito livros nesse estilo.. preferiria que fosse um filme.
    Nao gosto de nada que fica solto tb...
    Nao sei se leria viu...
    Parabens pela resenha!

    Bjokas
    Flavia - Livros e Chocolate

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Flávia, esta história daria um ótimo filme! Obrigada a todas por comentarem! Beijokas!!!

      Excluir