Oi pessoal, estou de volta. Coloquei os trabalhos da faculdade em dia o máximo que pude! Hoje trago essa resenha de um livro que meio que me escolheu, me apaixonei pela capa e logo em seguida pela autora.


Autora: Cíntia Moscovish 
Editora: Record 
Páginas: 140
ISBN: 9788501401274
Lançamento: 2012
Sinopse:  Recuperada após tratar-se um câncer, Cíntia Moscovich lançou Essa coisa brilhante que é a chuva. A escuridão que antecipa o fim passou perto, mas o brilho da luz no final do túnel foi visto na imagem da chuva e não do adeus. Após seis anos sem publicar um livro, Cíntia Moscovich voltou à Praça da Alfândega mais animada do que nunca. Embaixo do braço ela carregava Essa coisa brilhante que é a chuva, uma compilação de contos desse período entre o auge, a queda e a volta por cima.
Um retrato antológico de Cíntia Moscovich. Com muita originalidade, em cada conto ela consegue descrever temas corriqueiros – o ciúme do filho pela mãe, a chegada de um cachorro em casa, os cabelos grisalhos surgindo antes da hora –, criando inesperada tensão emocional entre eles e prendendo o leitor do início ao fim. Cíntia Moscovich é escritora, jornalista, mestre em Teoria Literária e ministrante de oficinas de criação textual. Contista, romancista e cronista, é autora de “O reino das cebolas”, “Duas iguais”, “Arquitetura do arco-íris”, “Por que sou gorda, mamãe?” e “Anotações” durante o incêndio. Com três prêmios Açorianos, a autora também recebeu o prêmio Jabuti.. Tem seus livros publicados em Portugal, na Espanha e na Itália.  


 Neste livro encontramos uma série de contos/crônicas da autora Cíntia Moscovish. Muitos deles foram escritos pela autora enquanto ela se tratava de um cancêr. Entretanto, nem por isso os contos/crônicas são tristes, são na verdade sobre o valor das pequenas coisas, o valor do sorriso que se dá ou recebe e como muitas vezes precisamos  de algo que nos mostre o real valor da convivência com as pessoas que amamos ou não, por que são essas relações que nos afetam de tal maneira que passam a nos definir, passam a transformar a nossa personalidade.
Narrativas que misturam o cômico e o trágico e que foram trabalhadas exaustivamente para chegarem à perfeição. “Eu tenho uma fantasia de que os livros vão me sobreviver, serão meu testemunho adiante e então tem que ser o melhor”, diz a autora sobre sua obra.
No primeiro momento podemos achar que os contos não se co-relacionam entre sí, mas logo depois podemos perceber que mesmo sem querer, ou até mesmo sendo uma intenção da autora, seguem uma espécie de ordem cronológica, com histórias hilariantes, outras apaixonantes e inspiradoras, mas todas mantendo-se sempre realistas. São histórias cotidianas, situações que poderiam ou até mesmo aconteceram com você ou comigo, como adotar um cachorro, manter um segredo escondido dos pais ou encontrar um verdadeiro amor após os sessenta anos de idade.
Um ponto importante sobre a autora é que ela apesar dos belos textos, mantém-se simplista, e quando digo isso não quer dizer que os textos são sem graça ou algo do tipo, mas que a poesia deles está justamente na leveza com que foram elaborados, sem floreios ou parágrafos recheados de palavras dificeis de se entender, nada rebuscado ou coisa parecida, apenas um texto limpo de adjetivos, mas carregado de sensibilidade, de fácil compreensão e leitura.

Outra coisa que me impressionou foram as orelhas do livro, onde o autor Fabricio Carpinejar fala sobre a autora e sobre a forma de sua escrita. Em um trecho ele diz:
 "A escritora molda temas sutis, corriqueiros, banais, mas de efeito hipnóticos. Cria tensão emocional inesperada entre eles como se fosse mágica.
Com Cíntia Moscovish, eu me comovo até com a virgula.
A forma como ela conta arrebata e não há igual.
Do que ela fala?  Nada demais. Do ciúme do filho pela mãe. Da tentativa de aceitar a morte fulminante do pai. Da chegada de um cachorro em casa. Dos cabelos grisalhos antes da hora."




2 Comentários

  1. Não é muito meu estilo de livro, mas analisando bem pela sua resenha e o comentário do Carpinejar, seria interessante incorporar esse livro a minha lista de desejados!
    Beijos, Ju - Céu de Letras

    ResponderExcluir
  2. Olá, deixamos um selinho para vocês no blog Curicultura.
    Beijos
    http://curicultura.blogspot.com.br/2013/02/2013-literario.html

    ResponderExcluir